domingo, 24 de setembro de 2017

A evolução entre a Biologia de Darwin e a Bioquímica (2)




1. Para quem anda há cerca de 40 anos a ler divulgação de biologia molecular, a leitura de A origem das espécies de Darwin foi uma revelação: a da existência neste campo de duas disciplinas ignorando-se mutuamente, a biologia vinda da tradição zoológica (e botânica), centrada na anatomia – o mundo deslumbrante de Darwin – e a bioquímica recente, centrada em torno da célula e do seu metabolismo, com lógicas irredutivelmente diferentes entre si. É esta questão de lógica que aqui tenta o filósofo. 

A biologia de Darwin
2. Darwin conhecia tudo o que se fazia na sua época em termos de “selecção doméstica”, de agricultores como de criadores de animais, fazia ele mesmo experimentação com pombos e com plantas e foi a partir dela e do conhecimento das experiências dos seus contemporâneos ingleses e de muitos outros por correspondência, que se lançou na pesquisa que o levou à selecção natural; diz a certa altura a propósito duma questão concreta, “como é meu costume, procurei entre as nossas produções domésticas a explicação deste facto” (p. 138, eu subl)[1]. A partir da existência de variações individuais vantajosas, propõe a diferença entre variedade e espécie, na primeira podendo haver cruzamentos entre indivíduos de variedades diferentes da mesma espécie, enquanto que indivíduos de espécies diferentes do mesmo género já não se cruzam (ou com híbridos estéreis): “cada espécie existiu primeiro como variedade, sendo a variedade a origem da espécie” (p. 84). Para perceber como, introduz um factor dinâmico, a luta pela existência, motivo como que ‘existencial’ não elaborado biologicamente, colocado devido às variações individuais, que ganha sentido biológico teórico por estas serem de populações de muitos indivíduos, o que permite introduzir um conceito de inspiração malthusiana de concorrência pela sobrevivência: “nascem mais indivíduos que os que podem viver” (89), em proporção geométrica nos casos de grandes multiplicações em boas condições de vida, donde a necessidade de destruição de indivíduos, jovens e velhos (89-92). “Dei o nome de selecção natural a este princípio (eu subl) de conservação ou de persistência do mais apto” (158), análogo da que fazem os humanos: é um princípio, não um ‘mecanismo’ como hoje se diz, que é argumentado contra a noção de criação divina das espécies.
3. Pode vir a propor um “corolário da mais alta importância, que a conformação [a anatomia] de cada ser organizado [ser vivo, animal ou planta] está em relação, nos pontos mais essenciais e algumas vezes contudo mais ocultos, com a [anatomia] de todos os seres organizados com os quais se encontra em concorrência para a sua alimentação e habitação, e com a [anatomia] de todos aqueles que lhe servem de presa ou contra os quais tem de defender-se” (101, eu subl). A lógica da evolução segundo ele, já válida para a selecção feita pelos humanos, pode resumir-se em duas etapas: 1º uma dada população ganha uma vantagem sobre as outras, 2º essa vantagem dos mais aptos torna-se hereditária. Tudo se passa na concorrência da luta pela existência. Ora, a bioquímica permitiu compreender o objectivo desta ‘luta’: todas as moléculas dos seres vivos, excepto a água, têm moléculas de carbono que não existem na terra a não ser na atmosfera, no famoso (e hoje mal visto) CO2, ou seja, foi a fotossíntese que veio tornar possível a evolução, fornecendo glucose às plantas (em troca de oxigénio que veio permitir a respiração animal), permitindo que os animais herbívoros ganhassem essas moléculas de carbono e as transmitissem por sua vez aos carnívoros que os comam. É esta a verdadeira lei da selva que está implícita na base de toda a demonstração de Darwin e que ele roçou retoricamente na sua última página, após ter resumido as principais leis da evolução: “portanto, da guerra da natureza, da fome e da morte, segue-se directamente a coisa mais admirável que somos capazes de conceber, a saber: a produção dos animais superiores”, isto é, dos seres humanos (que por prudência nunca nomeou)! Implícito talvez neste saber admirável que esta “guerra da natureza, da fome e da morte”, esta lei da selva, não era compatível com um Criador bom.

A vida segundo a bioquímica
4. O maior elogio que um filósofo pode fazer da Biologia molecular é que ela esclareceu não apenas o que Darwin várias vezes confessa que lhe escapa, as leis que permitem as variações vantajosas do seu ponto de partida, como iluminou de forma laboratorial – de transformações bioquímicas devidamente medidas – o maior mistério que os humanos sempre tiveram, a crer nos seus mitos, que sempre consideraram a fecundidade como a coisa dos deuses, a ‘bênção’ nos termos dos profetas bíblicos; a phusis como espanto de Aristóteles, cuja teoria da ousia (substância-essência) quádrupla explicou o movimento por si mesmos dos seres vivos para os vinte séculos posteriores, vida que só com a biologia molecular foi enfim esclarecida: como se reproduzem as células[2], como se reproduzem os organismos. Sem sair da célula, esclareceu radicalmente a questão da evolução: “já não restam dúvidas sobre a comunhão biológica dos seres vivos; a unidade da vida tem um sólido fundamento bioquímico na universalidade do código genético e no facto de todas as células usarem ATP [...] e terem em comum um grande número de reacções simbólicas”, diz o notável biólogo italiano Marcello Barbieri (Teoria semântica da evolução, p. 34).

A questão de lógica
5. ‘Sem sair da célula’: eis a performance extraordinária e simultaneamente o limite da bioquímica. Porque o que os livros ensinam é que o papel dos genes é duplo: por um lado, garantem a hereditariedade dos órgãos da anatomia em suas dimensões relativas e funcionamento uns com os outros, reproduzindo-se sempre os mesmos em todas as células; por outro, em cada célula especializada, cerca de 200 nos vertebrados, só jogam os genes que são adequados a essa especialização, no sentido de garantir a respectiva estrutura molecular. O que significa que, limitados ao domínio da célula (que é o do laboratório bioquímico), a biologia tem que continuar pela anatomia dos vários órgãos para chegar ao conjunto deles que é o organismo na selva. Já antes de ler Darwin me escandalizava que nenhum dos livros de biologia molecular que li fazia essa passagem; relendo o admirável Barbieri de há 30 anos, vi que ele esbarrava nessa passagem: “o último grande evento do pré-câmbrico – a origem da multicelularidade – consiste num problema para o qual não dispomos de qualquer solução” (p. 145). Chegou a um impasse que pode ser dito assim: um século e meio depois de Darwin, com novos e poderosos meios de análise, os bioquímicos não sabem como explicar a ‘origem das espécies’!, como passar duma célula especializada a outra, da célula ao organismo. O que tem incidências na estupidez actual de quem fala do ‘seu ADN’ ou dos ‘seus genes’ como o que o determina: para o filósofo, é insuportável, mas adequado à incapacidade bioquímica de ter em conta a anatomia, de passar dos genes ao organismo: explica a evolução directamente por mutações genéticas, as quais “ferem às cegas”, diz Barbieri (p. 154): ou seja, toda a fabulosa demonstração de Darwin torna-se obsoleta. Um dos exemplos que este refere é o da cumplicidade entre insectos e flores; se ela está ratificada hereditariamente pelos genes das duas espécies, parece óbvio ao filósofo que terá havido felizes encontros ao calhas que se repetiram, previamente às mutações genéticas que fizeram das duas espécies parceiras para sempre. Como aliás parece igualmente ser o caso das selecções dos criadores que Darwin refere, que se dão em dois tempos: 1º ganha-se uma vantagem, 2º ela torna-se hereditária, certamente por mutação genética. A lei da selva referida acima permite compreender como todas as anatomias animais são determinadas por ela. A noção de mutações prévias e cegas que acertam nos detalhes anatómicos mais inverosímeis dá-se ao filósofo como uma irracionalidade indigna de cientistas. Que um dos descobridores da dupla hélice, o físico inglês Fr. Crick, a tenha confirmado com o termo dogma, ainda torna a coisa mais gravosa a quem se guia pela razão. O que assim se pretende preservar de ‘heresias’ – que não haja traduções inversas de proteínas para genes – é algo de natureza laboratorial que o filósofo não pode discutir, apenas dizer que se trata de uma ‘interpretação’ teórica do que o laboratório dá a conhecer, que só bioquímicos não dogmáticos poderão encontrar outra interpretação que se adeqúe racionalmente à fabulosa demonstração de A origem das espécies. Que o releiam!
6. É que há um logro filosófico muito antigo nos paradigmas científicos que vem do ‘substancialismo’ aristotélico que a Física de Galileu e Newton desconstruiu no seu princípio mas que parece mais resistente aqui, justamente no privilégio dos genes no núcleo ‘interior’ da célula, que um célebre biólogo disse “estar firmemente no posto de comando” (citado por Barbieri, p. 138), esse mesmo Dawkins que propôs a noção de “gene egoísta”, mostrando não perceber que a lógica da evolução das anatomias é exactamente a contrária: a especialização das células (como o contrato social nas sociedades urbanas) é como um ‘contrato orgânico’ que elas fazem entre si em ordem a ganharem vantagens na “guerra da natureza”, face à lei da selva; o egoísmo é o dos cancros que se desenvolvem por si mesmos contra o conjunto orgânico. Esse “egoísmo dos genes” revela o privilégio filosófico do ‘interior’ sobre o ‘exterior’, que faz parte das nossas evidências mais fortes, bem patente no “penso, logo existo” cartesiano, que presume que pode ficcionar não ter corpo, lugar e mundo[3]. A razão de Darwin é a da lógica da selva em que animais se comem uns aos outros e às plantas para terem o precioso ‘carbono’ que lhes vem do exterior fabricar-lhes o organismo, o qual tem que ter autonomia de movimentos para poder caçar e escapar de ser caçado, tudo coisas que os genes ignoram e que estruturam as anatomias tão diferentes segundo as espécies. As moléculas comidas e digeridas chegam às células onde o metabolismo as recebe, guiado pelo gene que for expresso para o efeito da síntese da proteína requerida, esta “expressão dos genes” – a que eles respondem, não comandam – sublinhando algum aleatório nesse metabolismo que o gene regula. Há assim três níveis de acontecimentos aleatórios – grande aleatório da caça na selva, aleatório das dietas da digestão, aleatório da necessidade de tal proteína a sintetizar que pede expressão do gene conveniente – a ter em conta na interpretação biológica, a qual não pode ser exclusivamente bioquímica. A mutação genética fará parte deste lento acontecimento evolutivo, que pode durar várias gerações, mais provavelmente como inscrição consequente, nunca como causa cega.



[1] Li a edição francesa de Ed. Barbier de 1876, cito da edição Mel editores (2011) que retoma a versão de J. Dá Mesquita Paúl (Lello 1909), feita aliás sobre esta versão francesa. Com mais desenvolvimento e a minha biblioteca de biologia, há um texto com o mesmo nome no meu blogue Filosofia mais Ciências 2 (6/8/17).
[2] As dos ossos por exemplo todos os 6 meses, recuperando as fracturas, os neurónios nunca, preservando a memória.
[3] Quarto cap. do Discurso do método: é a ‘alma’ que comanda do interior desde o Fedro de Platão, a demonstração biológica de Darwin desfez esse privilégio. No Outono de 1988, François Jacob na Gulbenkian respondeu-me que não havia alternativa ao modelo standart. Dentro do paradigma dominante, era certo, é este que há que revolucionar com a colaboração do patriarca Darwin. 

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Palavra chave



1. Por vezes, há quem pergunte se se tem uma palavra chave para a sua vida. É uma pergunta difícil, claro. Eu responderia que tenho duas, uma para o que consigo e outra para o que não consigo.
2. Consigo compreender o que leio e me interessa, acho que consigo razoavelmente, que o que escrevo é relativamente claro. Mas eu que passo a vida a falar de ‘ser no mundo’, tenho muita dificuldade em compreender fora do meu mundo (distraído, não reparar, enganei-me algumas vezes até à patetice).
3. O que não consigo é amar o  próximo como a mim mesmo, costumo desculpar-me dizendo que é a coisa mais difícil do mundo. Mas o Bernanos disse algures que só há uma tristeza, a de não se ser santo.

domingo, 6 de agosto de 2017

A evolução entre biologia e bioquímica, entre Darwin e Marcello Barbieri


uma questão de lógica em fenomenologia

A perspectiva biológica da evolução segundo Darwin
A perspectiva bioquímica da evolução segundo M. Barbieri
A questão de lógica entre as duas perspectivas
Uma perspectiva fenomenológica da evolução
A cruel origem da espécie humana

Charles Darwin, A origem das espécies por meio da selecção natural ou a luta pela existência na natureza, [1859], 2011, Mel editores[1]
Marcello Barbieri, Teoria semântica da evolução, 1987, Fragmentos
Fernando Belo, Le Jeu des Sciences avec Heidegger et Derrida, 2007, L’Hamarttan
Idem, Manifesto duma Fenomenologia sistemática e indeterminista, relativa e verdadeira, 19 de fevereiro de 2008, no blogue Filosofia mais ciências


“Portanto,
da guerra da natureza, da fome e da morte,
segue-se directamente a coisa mais admirável
que somos capazes de conceber, a saber:
a produção dos animais superiores”[2]
(última página de A origem das espécies)


1. Este “portanto” é conclusão lógica das quatro leis gerais da natureza (crescimento e reprodução, hereditariedade, variabilidade, multiplicação das espécies) enunciadas resumidamente: o texto conclui-se pela admiração do sábio perante o saber que acabou de expor. Ora, o que é extraordinário é que as palavras, ‘guerra’, ‘fome’ e ‘morte’, raras nas mais de 500 páginas do texto, apareçam inopinadamente aqui em torno da ‘natureza’, como se, na sua ênfase retórica, se tratasse da lição de todo o livro. Veremos que o é, de facto, mas que ela só é teoricamente legível após as descobertas bioquímicas dum século mais tarde sobre o metabolismo celular. Mas então, porque é que a biologia molecular ainda não a explicitou? O que é que ela parece não ter lido nesse tratado impressionante de conhecimentos científicos da época que é A origem das espécies? Poder-se-á suspeitar que a amplidão das descobertas da Bioquímica ocultaram o saber que vinha da Biologia de Darwin? Porventura, para esclarecer esta questão insólita, haverá que recorrer ao registo fenomenológico de leitura destes dois saberes que se partilham o conhecimento Bio, o conhecimento científico ocidental dos seres vivos.
2. Coloquemos o quadro da questão que vai ser discutida entre a biologia de Darwin em meados do século XIX e a bioquímica molecular da segunda metade do século XX. Ambas se ignoram mutuamente. Darwin, que não soube da genética de Mendel – quando esta foi descoberta por três artigos independentes entre si no ano 1900, abriu-se um período que terá sido de incompatibilidade entre as duas perspectivas, Darwin sendo desconsiderado durante algum tempo, até à síntese neo-darwiniana –, marca várias vezes a sua ignorância, dele e da sua época, em relação às causas das variações individuais[3]. Ora, esta ignorância tem uma vantagem, a sua abordagem pode ser comparada à maneira como a psicologia behaviorista [que não partilho] recusou ter em conta a “caixa negra” interior, o cerebral, e se dedicou apenas ao observável exteriormente como “comportamentos”. A sua visão global do domínio da evolução das espécies[4], justamente porque ignora a teoria da genética molecular e não tem que compor com ela, permite-lhe uma argumentação biológica com que qualquer proposta teórica em biologia tem que se confrontar.
3. A biologia molecular, como o adjectivo indica, é o esclarecimento teórico do metabolismo das moléculas das células dos seres vivos, que só foi possível devido às grandes melhorias de técnicas laboratoriais, o que implica que ela releva, antes de mais, da bioquímica, que teoricamente só num segundo tempo é que se torna ‘biologia’, a ciência tradicional herdada da zoologia (e da botânica) que se ocupou longamente de anatomia dos animais (e dos humanos a partir do Renascimento), esclarecendo essas anatomias que a bioquímica, enquanto disciplina laboratorial, ignora. O que significa que, a priori, a argumentação que esta disciplina molecular pode pretender em relação ao conhecimento da evolução dos seres vivos na terra, antes de se articular com o estudo das anatomias, ignora a argumentação de Darwin. É pois entre duas disciplinas metodologicamente distintas e com dois tipos de laboratório irredutíveis entre si – entre a argumentação biológica de Darwin (sem que eu tenha competência para saber como é que os biólogos de hoje lêem os seus imensos exemplos de investigadores da sua época) e a descrição bioquímica teórica actual –, que pretendo colocar um problema de lógica em torno da explicação da evolução. Com a presunção de que a articulação entre estas duas disciplinas da ciência dos vivos não está feita de forma (fenómeno-) logicamente aceitável e com todos os riscos inerentes às leituras dum amador, mas com a vantagem duma perspectiva que releva não apenas da fenomenologia, uma das melhores filosofias contemporâneas, como também da luz que esta permite sobre as grandes descobertas cientificas do século passado, incluindo a própria biologia molecular (de que dá conta o “manifesto” de Belo 2008).

A perspectiva biológica da evolução segundo Darwin
4. A exposição do longo argumento deste texto fulgurante dá-se pela sequência dos seus capítulos que vão introduzindo metodicamente cada ponto fulcral. O cap. I aborda a “variação das espécies no estado doméstico”, no que se trata, por assim dizer, do laboratório da ciência darwiniana da evolução, pois é onde testa as questões posteriores relativas às espécies em estado selvagem ou de natureza, como diz, por exemplo, para entender as grandes diferenças frequentes entre espécies do mesmo género: “como é meu costume, procurei entre as nossas produções domésticas, a explicação deste facto” (138, eu sublinho). O cap. II  vem então às espécies naturais, propondo a diferença entre variedade e espécie, na primeira podendo haver cruzamentos entre indivíduos de variedades diferentes da mesma espécie, enquanto que indivíduos de espécies diferentes do mesmo género já não se cruzam ou, se o fazem – como a mula –, os híbridos resultantes são estéreis (a que consagra o cap. IX). A sua tese é a de que “cada espécie existiu primeiro como variedade, sendo a variedade a origem da espécie” (84). A consequência dela é que bastará analisar a sequência variações individuais (dentro duma variedade) / variedades (dentro duma espécie) / nova espécie (resultante duma variedade) para se ter o quadro de toda a evolução, já que as famílias actuais foram géneros que foram espécies que resultaram de variedades de espécies anteriores: toda a árvore genealógica dos seres vivos (que ele diz sistematicamente “seres organizados”) passou por aquela sequência evolutiva elementar, se se pode dizer assim. A grande excepção é justamente a das variações do estado doméstico, do cap. I, em que só há mudanças dentro de variedades (raças), sem novas que os criadores de animais (ou de plantas) consigam seleccionar novas espécies.
5. Como “o único facto da existência de variabilidades individuais e de algumas variedades bem acentuadas [...] ajuda-nos muito pouco para compreender como se formam as espécies” (86), o cap. III introduz um factor dinâmico, “a luta pela existência, motivo como que ‘existencial’, que não é elaborado biologicamente (não podia ser, mas ainda hoje não é, quando já o poderia ser, lá iremos), que pode ser colocado por haver variações individuais mas só ganha sentido biológico teórico por estas serem de populações de muitos indivíduos, que permite introduzir um conceito de inspiração malthusiana de concorrência pela sobrevivência: “nascem mais indivíduos que os que podem viver” (89), em proporção geométrica nos casos de grandes multiplicações em boas condições de vida, donde a necessidade de destruição de indivíduos, jovens e velhos (89-92). Com um “corolário da mais alta importância, isto é, que a conformação [a anatomia] de cada ser organizado está em relação, nos pontos mais essenciais e algumas vezes contudo mais ocultos, com a [anatomia] de todos os seres organizados com os quais se encontra em concorrência para a sua alimentação e habitação, e com a [anatomia] de todos aqueles que lhe servem de presa ou contra os quais tem de defender-se” (101, eu sublinho).
6. Donde que o cap. IV possa chegar à teoria “da selecção natural ou da persistência do mais apto”, tal é o título desse capítulo que recapitula no final: dado que as condições da existência mudam, há diferenças individuais em quase todas as partes da estrutura de cada um, progressão geométrica do aumento dos indivíduos, portanto luta pela existência, dadas enfim as relações de todos os seres organizados entre eles e com as condições de existência, “seria deveras extraordinário que se não produzissem jamais variações úteis à prosperidade de cada indivíduo [na natureza], da mesma forma como [domesticamente] se produzem tantas variações úteis ao homem; [...] os indivíduos que disso são o objecto [dessas variações úteis] têm melhor probabilidade de vencer na luta pela existência; pois, em virtude do princípio tão poderoso da hereditariedade, estes indivíduos tendem a deixar os descendentes tendo o mesmo carácter que eles. Dei o nome de selecção natural a este princípio de conservação ou de persistência do mais apto” (158, sublinhei ‘princípio’), que antes definira como “a conservação das diferenças e das varições individuais variáveis e à eliminação das variações nocivas” (107). “Metáfora”, dirá, como em química “afinidade electiva” entre ácidos e bases ou em astrofísica “atracção ou gravitação como regendo o movimento dos planetas” (ibidem), como na selecção doméstica humana, que “não pode produzir nem impedir as variações; pode apenas conservar e acumular as que se lhe apresentam” (106), as que ‘acontecem’. Nem a selecção doméstica nem a natural são ‘mecanismos’[5], ao contrário do que hoje se diz habitualmente e como é claro do ‘ou’ do título do capítulo: trata-se de, polemicando contra o criacionismo dominante na sua época, sublinhar a lógica imanente (“princípio”, que sublinhei da p. 158, por vezes “lei”) do fenómeno biológico que é a evolução das espécies. Essa lógica é a da transformação de espécies que hoje se nos dão como ‘imutáveis’, pretendendo os criacionistas que cada uma foi criada directamente pela divindade ocidental. A metáfora implica que são ‘seleccionadas’ as variações de populações que se revelam vantajosas para a sobrevivência na concorrência, esta consistindo nomeadamente nos “meios de se nutrir e defender” (109, eu sublinho) das populações, sendo que, por via dessa concorrência, são destruídas as que ficarem em desvantagem. Darwin propôs um esquema desenhado (p. 20) extremamente elucidativo de como a lógica da selecção natural explica como numerosas espécies foram extintas no passado geológico. Tal como os criadores de gado e os agricultores ‘seleccionam’ qualidades que lhes são vantajosas sem intervirem a não ser – e é imenso – na garantia de alimento e protecção, justamente o que é a razão da “luta pela existência” na selva, também as “variações vantajosas” dos “mais aptos” seleccionaram tal variedade como espécie, a qual extinguiu as outras variedades (da mesma espécie) e a própria espécie, as populações com que concorreu. A ‘selecção’ escolhe e elimina (o que Darwin diz ser a sua “acção”), mas sem ‘treinador’, digamos: a metáfora não passa da constatação da lógica que explica que haja ‘vencedores e vencidos’; ela não é ‘nada’, nem sequer uma ‘causa’: pelo contrário, é um argumento contra um ‘Quem’ divino que não o substitui por nenhuma outra ‘causa’. Aduziu factos e considerações que “parecem provar que o cruzamento acidental entre indivíduos distintos, nos animais e nas plantas, constitui uma lei, senão universal, pelo menos muito geral na natureza” (129, eu sublinho). A figura filosófica que serviria para dizer esta lógica seria a do jogo, cujas regras são relativas a ‘acontecimentos’, imotivados por definição e indeterminados, em que há múltiplas incidências entre os seus actores. Teremos que ter esta não-causalidade em vista quando discutirmos o “dogma” bioquímico de Crick.
7. O ponto de partida lógico de Darwin é pois o de que há variações individuais, das quais as ‘vantajosas’ se transmitem por vezes hereditariamente, produzindo variedades dentro da mesma espécie, sendo que esta variabilidade é muito maior na experimentação doméstica do que nas espécies selvagens. Ela releva das “condições de vida” agirem directamente sobre o organismo ou algumas suas partes, duma maneira que depende dessas condições mas sobretudo da “natureza do organismo”, ou indirectamente sobre o sistema reprodutor (28-9), diz-se logo à partida. Mas as condições de vida na selva são não apenas as de ordem climática ou física, são sobretudo as que têm a ver com as relações entre organismos, nomeadamente nos animais o serem presas alimentares duns para os outros (citação da p. 109 no § anterior). E este é que é o ponto. A importância primordial das relações entre organismos na luta pela existência, enquanto factor de transformação individual que se reflecte nos numerosos indivíduos duma variedade, implica que estas sempre lentas aquisições se transmitam hereditariamente: ora, elas não são quaisquer, são variações vantajosas, vantagens que só têm sentido em relação a outras variedades sem elas. A quantidade de exemplos de Darwin – e é certo que não tenho a menor competência para saber como é que os biólogos actuais avaliam cada um desses exemplos[6] – é impressionante, quer os que relevam de experimentação doméstica, incluindo a sua com pombos e plantas, quer de convívio e leitura de outros naturalistas; percebe-se que há bastantes autores que estão perto de pensarem como ele, a sua originalidade tendo sido sem dúvida a amplidão erudita e o rigor da argumentação deste tratado, apoiada sempre em questões trabalhadas pelas duas comunidades, a dos práticos da criação doméstica e a dos investigadores, que obriga o leitor a ultrapassar a objecção subjectivista ‘tratar-se-ia da simples opinião dum naturalista não crente’. Ora, a genética bioquímica permite reformular estes exemplos com outro rigor em seus laboratórios, mas os limites destes implicam que, não sabendo o que se passa fora do laboratório, seja na selva seja na criação doméstica, visto que os animais vivos não são susceptíveis de análise laboratorial bioquímica, implicam que lhe falhe inteiramente a dimensão biológica essencial de A origem das espécies. Muito provavelmente sem que os biólogos / bioquímicos se dêem conta desta questão epistemológica, mas sentindo porventura que ela é gravosa não deixaram de se defender dela, nada mais nada menos do que com um “dogma”, coisa de espantar em cientistas[7].
8. Qual é o problema, digamos filosófico, que coloca a evolução, de plantas como animais e até de protozoários, mas aqui só me ocupo de animais? É o de os seres vivos crescerem alimentando-se e reproduzirem-se em seres do mesmo ‘tipo’: mudam dentro dum princípio de conservação, quer individual, quer hereditariamente. Mas esses ‘tipos’ multiplicam-se por muitos milhares que excluem cruzamentos entre indivíduos de ‘tipos’ diferentes, o que significa que o princípio de conservação foi muitas vezes permeável à inovação, mas depois recuperando-a através da conservação num novo ‘tipo’. Ao sublinhar por vezes a ignorância da sua época sobre a origem das variações individuais, Darwin deixou a porta aberta à biologia molecular que veio, me parece, acrescentar um argumento bioquímico à vasta argumentação biológica do mestre inglês: todas as células de todos os seres vivos são, com excepção da água, compostas de moléculas orgânicas (bioquímicas) com pelo menos átomos de carbono; ora, estes não existem, tais quais, no ambiente físico mineral, e que por isso, para crescerem e se conservarem, têm que se alimentar de outros seres vivos igualmente compostos de moléculas orgânicas com  átomos de carbono. Se se pretende um mecanismo universal para a evolução, o que a selecção natural não é, está aqui: o mecanismo da alimentação, a começar pela fotossíntese das plantas. Confesso que muito me admira nunca ter encontrado esta trivialidade biológica em nenhum dos textos de biologia que li (lista no final), sendo obviamente para o leigo fenomenólogo que é esse mecanismo (de conservação) que está no coração da “luta animal pela existência” na sua dupla vertente: caçar outros vivos, evitar ser caçado. E é a sua transformação a diferença primeira entre a criação doméstica e a selva: a agricultura e a pastorícia arrancam plantações e rebanhos a esta lei da selva, anulam (parcialmente) a sua “luta pela existência”. Mas como isso permite, segundo Darwin, uma mais intensa variabilidade dos animais domésticos em relação aos selvagens donde derivam, isto é, como continuam a ter variações com vantagens, para eles ou para os seus criadores, o debate entre as duas argumentações, biológica e bioquímica, põe-se igualmente relativamente às aquisições domésticas de caracteres, como diz Darwin, de possibilidades hereditárias (que não as que resultam de treino, por exemplo, de galgos ou cavalos de corrida).

A perspectiva bioquímica da evolução segundo M. Barbieri
9. Logo no início, Darwin diz que a acção directa das condições de vida se exercem “sobre o organismo inteiro, ou sobre certas partes somente” (p. 28). Sucede que a esmagadora maioria dos seus exemplos incidem sobre patas, asas, bicos, olhos e equivalentes, ou seja sobre elementos do sistema de mobilidade, essencial para caçar presas e para fugir de o ser, sistema que hoje se sabe ser pulsionado internamente por hormonas, como a da fome ou da sede e regulado pelo cérebro que faz a ligação entre a parte perceptiva do sistema e a sua parte muscular que age nos membros. Quanto ao sistema nutricional propriamente dito, boca, digestivo, circulatório, respiratório, regulado igualmente pelo cérebro que vigia sobre a homeostasia do sangue, está estruturalmente dependente de que o da mobilidade, de que a boca em geral também faz parte com os seus dentes ou bico, lhe traga a presa, planta ou animal que será digerida em ordem a passar ao sangue as moléculas orgânicas com carbono que, com o oxigénio, serão levadas a todas as células. O metabolismo destas varia consoante a sua especialização histológica, o seu tecido, haverá pois que fazer com o material recebido, igual para todas as especialidades, fazer as sínteses de proteínas adaptadas à estrutura da célula. Uma série de moléculas de ácido-ribonucleico (ARN) é encarregada de o fazer, partindo o chamado ‘mensageiro’ duma outra série de moléculas de ácido-desoxyribonucleico (ADN), que está conservado no núcleo donde não sai, apenas enviando os tais mensageiros, que se degradam quimicamente após terem sido utilizados. Está aqui o segredo bioquímico da vida, do princípio de conservação e da mobilidade incessante, do crescimento nomeadamente: é o ponto do nosso debate. Qual é a função biológica do ADN, porque é que ele está retirado estritamente no núcleo de cada célula? Pode-se dizer que do embrião até ao adulto há como que uma ‘evoluçãozinha’ em que o ovo se vai repartindo em células que se repartem, etc., até se tornarem nas células especializadas do adulto. Além de coisas que eu não sei de embriologia, que o ADN seja sempre o mesmo em todas as células é a garantia da conservação do conjunto do organismo, mas que só é possível se, à medida da especialização celular, houver zonas diferentes dele que, ‘abertas’, sejam adequadas às respectivas sínteses de proteínas. O que significa que a sua função é exclusivamente a de regular o metabolismo da sua célula, sendo rigorosamente cego, tal como as hormonas endócrinas, como o nome indica[8], para a cena ecológica em que o animal se encontra e busca caçar e defender-se. Uma maneira de dizer a lógica da evolução animal do ponto de vista do ADN das primeiras eucariotes, é dizer que se foram encontrando muitas diferentes formas de ‘ganharem corpo’, anatomias com órgãos de faro, visão, audição, tacto, membros ósseos e musculares e a respectiva regulação neuronal para conseguirem melhores ‘vantagens’ na captação de moléculas orgânicas. Acima do nível celular, é o conjunto de todos os órgãos da anatomia com as respectivas células que prossegue as tarefas de nutrição de todas e cada uma destas. Donde que a ‘cegueira’ biológica do ADN, cada um em sua célula, seja incompatível com a argumentação biológica de Darwin, cuja ignorância confessada das leis das variações não impede o alcance biológico da sua argumentação: são dois mundos de conhecimento diferentes (como o da Acústica das frequências eléctricas da audição duma fala e o da Linguística das letras, sílabas e palavras dela). Então como é que a questão se põe? As variações hereditárias de Darwin implicam, como condição da conservação delas, que haja o que os bioquímicos chamam mutação do ADN no que diz respeito às células atinentes ao(s) órgão(s) em que há variação. O problema é o do como surge essa mutação: a sua cegueira e o seu carácter intracelular tornam difícil de pensar, face à demonstração darwiniana, que seja o ADN a origem da mutação. Mas não será fácil de procurar uma alternativa, ainda por cima quando não se é biólogo. Ajuda todavia ter lido o belo livro dum grande biólogo-bioquímico italiano, Marcello Barbieri.
10. A sua grande inovação é uma nova teoria da bioquímica da célula, criticando a dualidade ADN (genótipo) / proteínas (fenótipo), por implicar a redução das moléculas ribonucleicas (ARN) do citoplasma a ‘instrumentos’ dessa dualidade e propondo uma tríade ADN / ARN[9] / proteínas ou genótipo / ribótipo / fenótipo. Chamou ribosóide aos vários ácidoribonucleicos (ATP, nucleótidos, transferências, mensageiros e ribossomas) que jogam na química celular e ribótipo ao sistema formado por todos os ribosóides da célula (Barbieri, p. 113), vindo a mostrar – depois de restituir a sua evolução pré-celular de que resultaram, além dos diversos ribosóides, também os genes e as proteínas, os ARN antes do ADN![10] – como o ribótipo é “o centro organizador da célula” (137), o seu “cérebro (165). O que ele nos oferece assim pode ser dito, em vez duma carta dos elementos da célula reflectindo a experimentação laboratorial, é uma como que ‘anatomia bioquímica’ do seu funcionamento integrado, incluindo um mecanismo de auto-reparação, digamos, que faz a síntese de proteínas da própria célula que necessitam de ser substituídas, mecanismo regulador que joga entre as necessidades da célula e os aminoácidos digestivos que o sangue lhe traz, em termos pois de resposta aos ‘acontecimentos aleatórios’ que são o estado de saúde da célula por um lado e os produtos da procura de alimentação na cena ecológica, por outro. Desse mecanismo deve-se destacar o ATP (trifosfato de adenosina), reserva energética que movimenta o próprio mecanismo, como se fosse o seu ‘motor’, que tem características que o distinguem de todo o resto do ribótipo: por um lado, é um universal de todas as células que joga tal e qual, repetitivamente, qualquer que seja a bioquímica da regulação a que fornece energia, por outro, no que diz respeito aos animais, alimentado também pelo sangue mas a partir duma fonte diversa da dos aminoácidos, a respiração de oxigénio.
11. A proposta de Barbieri tem um significado extremamente importante, decisivo nomeadamente para a critica do “dogma” de Crick. Embora caso por caso, na experimentação bioquímica, haja (provavelmente) relações de causa / efeito, como é timbre da análise científica, de Aristóteles a Newton, a proposta de Barbieri parece implicar que cada processo de síntese duma proteína tenha uma dimensão ‘aleatória’, que é a dos acontecimentos: acontece algo que é possível acontecer, mas ‘sem necessidade’ em termos do conjunto temporal de sínteses proteicas do metabolismo, que acontecem quando acontecem, caso por caso, ao contrário do que parece ser o caso do ATP, que se repetirá sempre, quiçá em todo o tipo de células. Se bem percebi, o ADN, ou melhor os seus nucleótidos (70-1), também farão parte do mecanismo central, mas tendo um duplo papel claramente distinto. Podem-se dar exemplos análogos do seu papel em relação ao metabolismo: o do plano do arquitecto dum edifício a construir, o duma receita que permite cozinhar um prato mais ou menos complexo. Em ambos os casos, trata-se de ‘pro-gramas’ de obras que se distinguem delas mas sem a relação estrita aos quais elas não seriam executadas. Não foi por acaso que os biólogos escolheram letras para designar os nucleótidos e o termo programa genético para dizer o papel do ADN: ‘-grama’ significa ‘escrita’, ‘pro-‘ diz o carácter prévio dela em relação à obra. Mas tiveram que lhe acrescentar um outro mecanismo, variável segundo as situações bioquímicas, dito expressão dos genes, que tem que designar o gene que é indicado para a situação de síntese proteica que se apresenta a pedir solução ribotípica, isto é, designa o desencadeamento do processo de transcrição do ARNm. Mas também a teoria unificada de Barbieri permite entender melhor a possibilidade de várias transcrições inversas, documentadas experimentalmente, “produção de ADN sobre um molde de ARN” (p. 82). Pensa o leigo que poderá dizer-se que esse pedaço de ADN inédito será um exemplo de ‘mutação genética’. O outro papel do ADN será porventura o mais autónomo em relação ao ribótipo, é o da reprodução celular efectuada por via da dupla hélice descoberta por Crick, Watson e Rosalind Franklin, em que se inscreve nomeadamente a hereditariedade, ainda que as células sejam especializadas e em cada tipo de tecido o ADN ‘aberto’ às transcrições a fazer seja diferente.
12. Vamos então à critica do “dogma central da biologia molecular” (também sublinhada pelo célebre matemático René Thom, no curto mas entusiasta prefácio à versão francesa), assim definido por Crick, que, como qualquer dogma, serve para evitar a priori ‘heresias’ como esta de Barbieri; em última análise porventura, é uma ortodoxia para eliminar qualquer hipótese de repetir o ‘erro’ de Lamarck, mas sobretudo de Darwin, ao admitirem a hereditariedade dos adquiridos: creio que só é ‘dogma’ por reflectir na teoria a experimentação bioquímica[11] em termos lineares de causa / efeito, atribuindo à grande complexidade química do metabolismo celular o determinismo que para muitos (todos os?) cientistas é a caução epistemológica decisiva do que praticam como ‘ciência’. Em última análise, é da argumentação biológica de Darwin que o dogma se defende, como quem interdita para sempre as tentações bioquímicas de afrontar os argumentos e os exemplos de Darwin, o que parece aliás ter conseguido: o próprio Barbieri nem sequer imagina sair da bioquímica para discutir a evolução, não só recusa também a hereditariedade dos adquiridos[12], como nem imagina que haja uma argumentação biológica além da célula. Donde talvez que termine pondo a questão do como da passagem dos unicelulares eucariotas aos organismos que se revelam na explosão de fósseis do Câmbrico: “o último grande evento do pré-câmbrico – a origem da multicelularidade – consiste num problema para o qual não dispomos de qualquer solução” (p. 145). Chegou a um impasse que pode ser dito assim: um século e meio depois de Darwin, com novos e poderosos meios de análise, os bioquímicos não sabem como explicar a ‘origem das espécies’!
13. Perto do final do seu capítulo de introdução sobre “a ideia de evolução”, Barbieri escrevera: “o que podemos confirmar com segurança é que o ponto de referência a partir do qual encaramos o mistério [da origem das espécies] se modificou radicalmente, em relação aos tempos de Darwin. Este partiu da hipótese de que existiam variedades intermédias entre as espécies e chegou à conclusão de que todos os organismos são aparentados entre si. Actualmente, não temos de facto qualquer certeza quanto à existência de variedades intermédias, mas já não restam dúvidas sobre a comunhão biológica dos seres vivos. A unidade da vida tem um sólido fundamento bioquímico na universalidade do código genético e no facto de todas as células usarem ATP [...] e terem em comum um grande número de reacções simbólicas” (34). Este final sobre a “unidade da vida” na perspectiva bioquímica é bonito, mas a citação deixa algo muito claro: Darwin argumentou sobre “organismos” e seu parentesco na cena ecológica da luta pela existência, Barbieri argumenta sobre células, genes e metabolismo no laboratório bioquímico. Só o que não é claro é que o bioquímico não esclareça que esta diferença também faz parte da “modificação radical”, isto é, que Darwin e ele não falam da mesma coisa ao falarem da “ideia de evolução”.

A questão de lógica entre as duas perspectivas
 14. Com efeito, trata-se justamente da questão da articulação entre bioquímica e biologia, entre Barbieri e Darwin. Que tão lúcido critico da biologia molecular não se dê conta de que a dificuldade é de outra ordem do que continuar simplesmente a investigação, significa que se trata dum impasse da ordem do paradigma bioquímico, aquele que foi instaurado pela revolução que representou essa mesma biologia molecular: foi esse paradigma que estruturou Barbieri como biólogo. Como explicou Kuhn, o paradigma aprendido diz os puzzles a resolver e o que fazer para isso, condicionando a visão a esses puzzles, isto é, sem deixar ver para além do paradigma. É o que me permite o que representa uma audácia para os biólogos, sem dúvida, mas que se justifica muito simplesmente por me ter apercebido de que, quando peguei nestas questões no início da redacção de Le Jeu des Sciences, avancei pela dificuldade espontaneamente sem dar por ela, apenas por ter a vantagem de não pertencer ao paradigma, de não ser nem biólogo nem bioquímico. Se se disser que o coração duma é a célula e o da biologia darwiniana é a anatomia animal, a questão da evolução terá que implicar uma descrição que as inclua a ambas e as articule na cena ecológica, sem passar imediatamente dos genes ao organismo e suas funções; é o que tentarei fazer nos meus limites paradigmáticos, fenomenológicos, sabendo que, aqui e ali, tive que deduzir algumas coisas importantes que nunca vi tratadas por quem de direito. Como se depreende dos livros dos bioquímicos ou biólogos moleculares que li, incluindo Barbieri, há sempre já metabolismo no citoplasma de cada célula acabada de ser reproduzida, parte-se sempre de células que há, não se encontra nunca um qualquer ‘fabrico de todas as moléculas duma célula’: a produção de proteínas será apenas reparação, substituição das deficientes, creio que devido à usura da vida, provavelmente à fragilidade intrínseca das ligações internas de moléculas orgânicas extremamente complexas, quando comparadas com as moléculas minerais da Química de Lavoisier. Ora, isso é feito segundo a grande diversidade dos cerca de 200 tecidos da anatomia dos vertebrados, essa diversidade que Barbieri não sabe explicar bioquimicamente.
15. A questão a pôr é a seguinte: o que fazem esses órgãos diversificados que compõem a anatomia dum mamífero, por exemplo, porque é que a evolução os seleccionou? a resposta é biológico-quimicamente simples: o conjunto deve prover à alimentação de todas e cada uma das células especializadas, como se a anatomia resultasse dum ‘contrato social’ entre todos os tecidos e suas células, especializando-se elas em ordem a conseguirem alimentar-se todas de maneira muito mais eficaz do que mantendo-se unicelulares[14]. Como se disse no § 9, além do sistema de reprodução sexual e da ossatura do esqueleto, pode-se pretender que na anatomia dum mamífero há dois sistemas diferentes com funções complementares: o nutritivo, aquele que tem a ver com a nutrição que se destina a levar aminoácidos a todas e cada uma das células (boca, digestivo, respiratório, circulatório e por aí fora) e o da mobilidade, aquele que se ocupa de trazer à boca o que dará origem a essa digestão (órgãos perceptivos, cérebro, músculos dos membros, boca), o cérebro sendo um regulador comum a ambos que os articula, por um lado atento à homeostasia do sangue, por outro pulsionando a (aprender a) caçar ou a comer ervas na cena ecológica. Ora bem, é esta anatomia com imensas variações consoante as espécies que é, digamos, o ‘sujeito portador’ da famosa “luta pela existência” de Darwin e que os bioquímicos ‘dispensam’ de qualquer função na evolução, esta entregue apenas ao efeito de “mutações” genéticas.
16. É onde se põe a questão de lógica anunciada, no frente a frente entre duas demonstrações, uma biológica, a outra bioquímica. Releia-se o “corolário” de Darwin no final do § 5 sobre a “relação” entre as “conformações”, as anatomias dos diversos animais da mesma cena ecológica: é nas alianças e lutas entre eles que A origem das espécies demonstra que está o que explica que, apesar do inexorável princípio de conservação dos vivos e das espécies, haja todavia variações vantajosas e evolução. O que é rigorosamente ilógico é pensar que essas variações, inovadoras porque com adequação na ordem dos fenómenos que é a da evolução, sejam resultado ou efeito de mutações cegas do ADN celular. Por exemplo frequente em Darwin, que haja insectos ‘especializados’ no suco de certas flores, por efeito de mutações nas células de uns e das outras que ‘acertam’ umas nas outras sem que se saiba como. Escandaliza-me que gente de ciência que subscreve esta doutrina, recorra ao dogmatismo – sublinhando sem dar por isso a falta de lógica –, em vez de ter a posição que se espera de gente de razão, que seria a de estabelecer que existe relação entre alterações genéticas e alterações anatómicas, como? não sabemos ainda!
17. Darwin demonstrou que as diferenças entre anatomias animais de espécies ou variedades diferentes resultam de variações vantajosas para o que chamou “luta pela existência” (e que as dificuldades em encontrar espécies intermediárias se explicam pelas contingências dessas mesmas lutas); sem conhecer a bioquímica posterior, não soube explicar porque é que há variações e porque é que se tornam hereditárias, limitou-se a constatá-las na experimentação com animais e plantas. A bioquímica, por sua vez, argumentou que nenhuma variação celular, implicando novas proteínas – ou “usar proteínas velhas para fins novos”, segundo alguns autores citados por Barbieri – (86), pode ser transmitida hereditariamente sem uma alteração genética correspondente. A exigência de mutações genéticas visa garantir a hereditariedade, o problema lógico reside na sua ‘cegueira’, que o próprio Barbieri confirma, “o facto de as mutações genéticas ferirem às cegas” (154). Mas também cita R. Dawkins, que contradiz, segundo o qual “o ADN encontra-se hoje firmemente no posto de comando” (138): segundo o dogma, o gene comanda ARNm e este sintetiza uma proteína consoante esse gene. Ora bem, esta tese contém duas posições herdadas da filosofia ocidental e que vêm de Platão e de Aristóteles e fazem parte do pensamento de todos os que frequentaram os liceus modernos, impregna todo o tipo de paradigmas disciplinares, mormente científicos e filosóficos. A primeira consiste numa noção linear de causa e efeito e é um elemento estrutural da experimentação nos laboratórios científicos clássicos e por certo nos da bioquímica. Colocar a organização do metabolismo celular no ribótipo, foi uma maneira de Barbieri substituir esta ‘linearidade causal’ entre ADN e ARN, privilegiar os ribossomas em detrimento do ‘mensageiro’, o jogo plural deles, se dizer se pode, que me parece permitir ter em conta outras relações relativas ao ADN, mormente as transcrições inversas e as expressões dos genes, sem todavia afectar a necessidade da relação entre cada gene e a sua proteína. Digamos que o ribótipo obedece a uma ‘lógica de acontecimentos’ (§§ 6, 11). A segunda, sem dúvida mais difícil de ser detectada, foi uma das descobertas decisivas da gramatologia de Derrida, a do logocentrismo: consiste  na evidência que todos temos da prioridade do nosso ‘interior’ – os nossos pensamentos, emoções, memórias, segredos – sobre o ‘exterior’ que nos rodeia e a que chamamos ‘ambiente’. Ora, esse mundo interior, que é precioso a cada um de nós, foi-se estruturando a partir de aprendizagens de usos sociais desse ‘ambiente’, nomeadamente a língua da nossa tribo: sendo em nós ‘activo’, em ‘eu’, esse interior começou por ser recebido ‘passivamente’ do exterior, que no-lo deu de maneira a ser em nós ‘activo’: as regras recebidas de outros – heteronomia – foram recebidas como regras nossas – autonomia – porque esses outros se retiraram (como uma mamífera se retira progressivamente do filho que dá à luz em ordem a que se torne adulto). Pressuposto deste logocentrismo é o substancialismo filosófico herdado de Aristóteles que Heidegger questionou[15], que no paradigma biológico propõe o primado sobre a cena ecológica, quer do organismo na biologia de Darwin, quer da célula na bioquímica de Crick, Watson, Jacob e Monod: o dentro prévio ao fora. Ora, a bioquímica demonstrou que nenhuma célula se constitui por ‘geração espontânea’, mas a partir de outras células sempre alimentadas de fora, a partir da cena ecológica. Aplicando esta lógica desconstrutiva à evolução: haverá que buscar uma relação entre as “variações” devidas à “luta pela sobrevivência” darwiniana e as mutações genéticas, de forma a que estas possam ser tanto causa das outras como seu efeito, como correlação que se construa na lentidão das modificações em que Darwin insiste frequentemente. Tratando-se igualmente de alterações – alteração genética e alteração anatómica na cena –, têm que ser acordadas uma à outra, sem que o fenomenólogo possa dizer o ‘como’ desse acordo.
18. Releia-se o “corolário” darwiniano (§ 5) e o resumo da definição de “selecção natural” (§ 6), “os meios de se nutrir e defender” (ibidem). ‘Alteração anatómica na cena’ significa que não se pode pensar o ‘organismo’ separado da ‘cena ecológica’ (do dito ambiente): desde o ovo que qualquer animal é um ser dado pela e na cena ecológica segundo regras que esta dá (as da espécie), que só se pode desenvolver, passar a duas células, depois quatro, etc., só pode crescer recebendo moléculas orgânicas de carbono e outros átomos, que permitam que as suas células sejam capazes de funcionarem nas suas especialidades de tecidos / órgãos, de maneira a colaborarem com todas as outras para serem capazes de buscar moléculas orgânicas de carbono, água e oxigénio, que permitam que as suas células sejam capazes de funcionarem nas suas especialidades de tecidos / órgãos, de maneira a colaborarem com todas as outras para... e assim sucessivamente, repetitivamente do ponto de vista orgânico, segundo um ‘ciclo homeostático’ análogo ao ‘ciclo hermenêutico’ de Heidegger, mas sempre devendo aleatoriamente encontrar presas na cena ecológica e fugir de ser presa, segundo capacidades do sistema de mobilidade aprendidas para funcionar numa cena aleatória por estrutura. Como foi dito, pode-se verificar que a esmagadora maioria dos exemplos de Darwin com animais se referem a modificações surgidas justamente no sistema da mobilidade, membros de locomoção sobretudo, mas também órgãos perceptivos, o que obrigaria os bioquímicos que dêem por ela a localizar as tais mutações nas células dos órgãos desse sistema. Que as ciências ‘bio’ pensam o organismo separado, exterior, à cena ecológica que o dá, é atestado pelo motivo central da respectiva teoria da evolução, a saber o de “adaptação”, Darwin ao “ambiente”, Barbieri aos “ciclos naturais”. E no entanto, cada um à sua maneira, apercebeu-se de que havia ali um problema: o biólogo implicitamente, insistindo em que as “condições de existência”, além do clima solo, e outras realidades “físicas”, são sobretudo os outros organismos com quem estão em relação, nomeando ele sobretudo os concorrentes (§ 5), o bioquímico sublinhando a pertença dos organismos ao nicho ecológico (151) para criticar a “adaptação ao ambiente” de Darwin e a substituir pela adaptação aos “ciclos naturais (do oxigénio, do carbono, do azoto, do fósforo, etc.)” (44), mas ‘separando’ aqui estes dos organismos que têm que se adaptar a eles. Só que Barbieri, indo no bom sentido bioquímico de sair da célula para a cena ecológica, limitou-se a mencionar os ciclos e não parece ter-se apercebido da importância primordial do ciclo do carbono a partir da fotossíntese e implicando a necessidade de animais se alimentarem através de outros vivos, o que chamei a lei da selva (§ 8). Ou seja, também aqui não tem sentido falar em ‘adaptação’ (tornar-se apto para): todo e qualquer animal (e planta) pertence sempre já ao ciclo do carbono, este só existe enquanto ‘ciclo’ por haver plantas e animais, não lhes é prévio (tal como aliás a própria cena ecológica).
19. O que Heidegger propôs para definição dos humanos, serem “seres no mundo”, dá aqui para, indo mais longe do que ele, dizer que os animais também são seres no mundo, na cena ecológica[16]. Ora, a ignorância da genética por Darwin permite que a sua argumentação, que justamente só joga nesta cena, tenha a amplidão necessária que a valida na perspectiva fenomenológica, é adequada a seres no mundo (embora não seja essa a filosofia dele), enquanto que o dogma de Crick, por sua vez, sublinha que o princípio essencial da vida, o da conservação das células, é anti-evolutivo, garantido pelo retiro do ADN no núcleo de cada célula, pela sua ‘cegueira’. Mas é a este princípio que se opõe uma espécie de contraponto existencial, “a luta pela existência”, que resulta justamente de os animais serem seres no mundo: terem que procurar encontrar na cena recursos para obviar à fragilidade das suas complexas células de carbono, azoto, fósforo, etc., que provavelmente estão sujeitas a desfazerem-se em moléculas menos complexas, ao contrário da perenidade das moléculas inorgânicas da terra, rochas, mares e ares, sujeitas apenas às diferenças de pressão e temperatura, transformações químicas, erosão… Sendo assim, a lógica desconstruída desta questão torna-se óbvia quando se juntam as duas pontas da cadeia: em terminologia parcialmente heideggriana, é a lei da cena ecológica que faz doação de todas as espécies animais, determinando as respectivas anatomias como mecanismos de alimentação bioquímica de todas as suas células; mas faz doação, retirando-se, deixando-as autónomas, como é ilustrado por dois factos: por um lado, as anatomias são imensamente diversas – é o que encantou Darwin – e por outro elas têm que “lutar pela existência”, o que lhes é doado (‘passivo’) tem que ser buscado (‘activo’) com o que isso implica de aprendizagem, muito variável com a complexidade das espécies. Ora, se a lei da selva determina as anatomias biológicas como feitas e seleccionadas para ‘resolver’ a bioquímica das células, e se os órgãos dessa anatomia são feitos bioquimicamente de células, então o acordo entre as duas perspectivas tem que ser fenomenologicamente possível, com paradoxos porventura, mas sem dogmas.

Uma perspectiva fenomenológica da evolução
20. Mas então, em vez de termos os genes a ‘inventarem’ a anatomia de cada espécie, temos uma ‘lei’ imanente ao fenómeno chamado vida que, do ponto de vista da animalidade chamo lei da selva, que na imensa refrega das espécies as foi inventando temporalmente, tanto as anatomias como os respectivos genes celulares e ribótipos (que são parte delas). Estes são dinâmicos, pertence-lhes a iniciativa celular e por aí dos tecidos e órgãos, com um segundo nível organizador, o sistema neuronal. O que sugere que ao nível celular, o genoma é o guardião da conservação e para haver evolução de tal aspecto dum órgão (ou mais), ela jogar-se-á celularmente no complexo ribótipo que encontrará maneira de alterar o que for necessário do genoma para garantir a sua reprodução hereditária. Uma proteína nova ou funções novas para velhas proteínas, sugeriram vários autores: em ambos os casos, haverá alteração genética[17].
21. Os animais são estruturados de forma complexa, com vários níveis articulados de maneira a, por um lado, ser garantida a conservação da estrutura, sabendo-se, por exemplo, que os ossos humanos renovam completamente as suas células de seis em seis meses (prazo de recuperação de fracturas) e, por outro, a permitir a agilidade dinâmica que possibilite a caça de presas e a protecção e defesa de outros mais fortes ou astutos. A anatomia tem por isso que ser indeterminada, mesmo nos invertebrados, nomeadamente os artrópodos, o grau de indeterminação crescendo com a complexidade, como atesta a inovação mais importante entre os vertebrados, a transição do sangue frio (temperatura do ambiente) para o sangue regulado homeostaticamente e a correlativa modificação do cérebro que ganhou um novo córtex, mais adequado para as aprendizagens de aves e mamíferos (com alguns répteis), sempre articulado com o herdado dos peixes (só há um cérebro, que é duplo), o chamado límbico, que é deixado à sua especialização de secreção hormonal e regulação homeostática do sangue. A dificuldade é que a fenomenologia geral que eu pratico tem uma lógica que articula vários níveis de acontecimentos, que nos são conhecidos através de fragmentos de causa / efeito descobertos pela condição de determinação própria do laboratório que são a compor teoricamente – extra laboratorialmente – como acontecimentos indeterminados, segundo uma lógica de jogo (§ 6). Poderão ser introduzidos num laboratório bioquímico os animais que crescem de tamanho devido à melhor alimentação que recebem dos seus criadores (Darwin, p. 29)?
22. Eis como descrever os vários níveis da estrutura, inspirando-me no motivo fenomenológico de duplo laço[18], que não explicito para não complicar, mas que tem a pretensão de substituir o motivo da ‘adaptação’. Uma vez que, segundo Darwin, as alterações dão-se na cena geral onde os animais se disputam as alimentações, comecemos por ela. Suponhamos-lhe uma qualquer alteração estrutural que os afecte e seja uma população de leões que, sujeitos à lei da selva na sua luta pela existência – luta de vida ou de morte –, são estimulados no seu sistema de mobilidade a um esforço suplementar ao que lhes é habitual. Como se depreende dos treinos domésticos (mas estes a nível individual), é possível que essa população vá ganhando algumas ligeiras alterações de tal ou tais órgãos desse sistema, perceptivo ou muscular, além das inscrições neuronais devidas à aprendizagem[19]. Nesse primeiro nível de acontecimentos em que eles atacam gazelas, trata-se assim de alterações, que podem intensificar-se num prazo mais dilatado, as quais, segundo nível de acontecimentos, o da digestão, se dão nos vários tecidos desses órgãos, nas suas células, implicando que as moléculas que lhes chegam pelo sangue, aminoácidos, água, oxigénio, sejam recebidas no terceiro nível de acontecimentos, celular, pelo ribótipo como ‘acontecimento inesperado’, fora da rotina do metabolismo, fora nomeadamente do alcance de genes e da sua capacidade de transcrição. É aqui que o motivo de Barbieri, o do ribótipo como “organizador da célula” (§ 10), poderá ser útil, sem que se possa saber como[20] se enlaçam entre si os três níveis de acontecimentos. Mas que biólogos ou bioquímicos não se ofusquem com a minha ousadia. Basta-me que os bioquímicos dêem importância à anatomia, releiam A origem das espécies.
23. Resumindo. As células fazem tudo o que têm que fazer na sua especialidade para serem alimentadas, esta alimentação permitindo-lhes por sua vez fazer tudo o que têm que fazer na sua especialidade para serem alimentadas, e assim de seguida, sem que possamos decidir entre ‘fazer’ e ‘ser alimentado’, entre o activo e o passivo. É esta indecidibilidade, o que se pode chamar o círculo homeostático (como Heidegger fala do círculo hermenêutico”), que será o que torna teoricamente tão difícil a lógica da origem da vida e da evolução. O conjunto duma célula em meio molecular orgânico teve que se instituir como tal, donde o círculo ser indecidível, foi onde Crick decidiu por razões filosóficas de interpretação bioquímica. A tese essencial a reter aqui é a da determinação de todas as anatomias (genes incluídos, claro) de todo o tipo de espécies pela lei da selva, segundo a lógica da cena e o ciclo natural do carbono. Determinação de todas as anatomias, tão diferentes entre si, põe em questão o determinismo cientista, fenómeno fenomenolgicamente equivalente ao das tão diferentes sociedades humanas[23] e o das suas tão diferentes línguas. É que tal ‘determinação’, o que ela determina é a doação[24] das cenas ecológicas : espécies diferentes em suas regras, em suas heteronomias que se revelam em cada indivíduo como autonomias, como indeterminação, nos humanos multiplicada antropológica e linguisticamente como enigma de cada indivíduo, a que chamamos liberdade.

A cruel origem da espécie humana
24. Termino relendo a exergue de Darwin, que se refere justamente à “guerra da natureza” que se joga em termos de “fome e morte”, implicitando que esteve muito perto de descobrir a lei da selva, que lhe daria mais um argumento contra os criacionistas: como podia esta lei terrível ser obra dum Deus bom? O grande biólogo extasia-se como desta crueldade enorme da vida animal surgiu “directamente a coisa mais admirável que somos capazes de conceber, a saber: a produção dos animais superiores”, ou seja, como foi cruel a origem dos humanos. Se continuasse a especular, chegaria a apresentar a sua obra como a solução biológica a um dos problemas metafísicos que foram mais discutidos pelos pensadores ocidentais, o da origem do mal. Este vem desta lei da selva que os humanos herdámos como força muscular e astúcia para uma luta de vida e de morte, transformada na lei da guerra, desde todas as rivalidades no seio das famílias, que ilustravam aos olhos de Aristóteles as tragédias gregas, passando pelas classes nobres das sociedades históricas serem as dos guerreiros e as das sociedades desenvolvidas a dos capitalistas, que agora se assumiram como especuladores financeiros.

Bibliografia

ARISTOTE, Les Parties des Animaux, ed. bilingue, trad. P. Louis, Les Belles Lettres, 1956
IDEM, Parties des Animaux, Livre I, trad. Le Blond, 1945, Garnier-Flammarion, introd. P. Pellegrin, 1995
AVELAR, Teresa, A evolução culminou no homem?, Bertrand, 2010
BARBIERI, Marcello, Teoria Semântica da Evolução, trad. port. de Mª. L. Pinheiro, Fragmentos, [1985] 1987
IDEM, I Codici organici. La nascita delle biologia semantica, pe­Quod, 2000
BELO, Fernando, Le Jeu des Sciences avec Heidegger et Derrida, 2007, L’Hamarttan
Idem, Manifesto duma Fenomenologia sistemática e indeterminista, relativa e verdadeira, 19 de fevereiro de 2008, e “Porquê e como há movimento(em Biologia, Sociedade e Linguagem)”, 11 de Janeiro de 2016, ambos no blogue Filosofia mais ciências
BERTHOZ, Alain, Le sens du mouvement, Odile Jacob, 1997
CHANGEUX, Jean-Pierre, L'homme neuronal, Fayard, 1983
DAMÁSIO, António, L'erreur de Descartes, La raison des émotions, trad. M. Blanc, Odile Jacob, 1996
IDEM, O livro da consciência, Temas e Debates, 2010
DARWIN, Charles, A origem das espécies por meio da selecção natural ou a luta pela existência na natureza, [1859], trad. Joaquim Dá Mesquita Paul, 2009, Mel editores
DERRIDA, Jacques, De la Grammatologie, Minuit, 1967
EDELMAN, Gerald, La Biologie de la Conscience, trad. Ana Gers­chenfeld, Odile Jacob, 1994
GROS, François, Les secrets du gène, Odile Jacob, 19912
HEIDEGGER, Martin, Être et Temps, [1927], trad. E. Martineau, ed. hors-commerce, 1985
JACOB, François, La logique du vivant, une histoire de l’hérédité, Gallimard, 1970
JONES, Steve et Van LOON, Boris, Genetics for beginners, 1993
JOUVET, Michel, Le sommeil et le rêve, Odile Jacob, 1992
KANDEL, Eric, À la recherche de la mémoire. Une nouvelle théorie de l'esprit, Odile Jacob, 2007
KUHN, Thomas, La structure des révolutions scientifiques, [1962], Flammarion, 1983
LEROY-GOURHAN, André, O Gesto e a Palavra. 1 - Técnica e linguagem, trad. V. Gonçalves, ed. 70, [1964], s. d.
LIMA, Jorge et FREITAS, Mário, Biologia, O estudo da vida, Asa, s/d.
MONOD, Jacques, Le hasard et la nécessité. Essai sur la philosophie naturelle de la biologie moderne, Seuil, 1970
POMIAN, Krzysztof, "Le déterminisme : histoire d'une problémati­que", in K. POMIAN (org.), La querelle du déterminisme, 1990, Gal­limard, pp. 9-58
PROCHIANTZ, Alain, Les stratégies de l'embryon, P.U.F., 1988
IDEM, La construction du cerveau, Hachette, 1989
RUFFIÉ, Jacques, Tratado do Ser Vivo, trad. de J. V. de Lima, Fragmentos, [1982], 1988
TASSIN, Jean-Pol, "Biologie et inconscient", en­tretien avec Moni­que Sicard, in M. SICARD, Le Cerveau dans tous ses états, Presses du CNRS, 1991
VARELA, Francisco, Autonomie et connaissance, Essai sur le vi­vant, trad. P. Bourguine et P. Dumouchel, Seuil, 1989
VINCENT, Jean-Didier, Biologie des passions, Odile Jacob, 1986
WATSON, James, A dupla hélice, Um relato pessoal da descoberta da estrutura do ADN, trad. R. Zambujal, Gradiva, [1968], 1994



[1] Utilizei a edição francesa de Edmond Barbier de 1876 (ed. Reinwald), herdada do meu avô, mas dou a paginação das citações duma edição portuguesa que retoma a versão de Joaquim Dá Mesquita Paúl, da Lello de 1909, feita aliás sobre a versão francesa que eu utilizo.
[2] Thus, from the war of nature, from famine and death, the most exalted objet we are capable of conceive, namely, the production of the higher animals, directly follows
[3] “As leis diversas, absolutamente ignoradas ou imperfeitamente compreendidas, que regem a variação, têm efeitos extremamente complexos” (Darwin, p. 33); “muitas leis desconhecidas, de que a correlação de crescimento é provavelmente a mais importante, regulam a variabilidade” (62); “a nossa ignorância absoluta sobre as causas de cada variação particular” (164).
[4] Sem que se possa dizer que ele viu os animais como “seres no mundo”, como também não a biologia contemporânea – por exemplo a oposição (ontoteológica) entre “organismo” e “ambiente”, a alimentação relevando deste –, a sua argumentação é, me parece, em grande parte compatível com este motivo fenomenológico. 
[5] Esta palavra tem a ver com máquina, que consiste numa composição de peças ou elementos diversos e numa fonte energética, que opera certo tipo de efeitos fora dela; esta definição breve também dá para os organismos biológicos propriamente ditos, aqueles que têm órgãos especializados concorrendo para a sua alimenta­ção, buscada fora deles. Não se percebe como é que a selecção natural pode corresponder a esta definição, já que o que ela ‘selecciona’ é o que já lá está, ela não tem elementos e fonte energética que lhe permitam ‘operar’ como um mecanismo.
[6] Ele acha que os cães domésticos relevam de várias espécies (38), um artigo do Público (19/07/2017) contava como investigações genéticas recentes vão no sentido de apenas uma ou duas origens.
[7] Dizia-me um dia um cientista não biólogo que ‘ciência quer dizer curiosidade’.
[8] A hormona que me faz saber que tenho fome, não me diz o que comer, tenho que procurar.
[9] Ribossoma, não o mensageiro que é uma pequena parcela do ribótipo (113).
[10] “A vida, à superfície da Terra, é oriunda dos antepassados dos ribótipos” (113).
[11] Crick teve que aceitar em todo o caso a transcrição inversa, revendo um tanto o dogma (82).
[12] Mas porque “veio a provar-se incompatível com muitas experiências do campo da genética” (20); a minha dúvida é a de saber se o laboratório bioquímico tem alcance sobre a argumentação de Darwin, sobre as relações entre anatomias.
[14] Um tal ‘altruísmo’ é o contrário do “gene egoísta” (egoístas são os cancros, que rompem o contrato com as outras células), que só pôde ser pensado por um puro bioquímico que não soubesse nada de biologia, contraprova fenomenológica da cegueira paradigmática, correlativa, é caso para dizer, da dos próprios genes, fechados no seu núcleo.
[15] Mas também Galileu e Newton, à maneira deles e sem o reflectirem expressamente. Ver neste blogue Questão (prigoginiana): o que é a energia, a força atractiva e a entropia? §§ 5-6 (19/10/2014).
[16] E nosso, que também participamos inteiramente dela, e estamos a estragá-la com o que. feito por nós, não lhe pertence.
[17] Pequena história da epigenética : a hereditariedade além dos genes. A epigenética define-se hoje pelo estudo das mudanças modificando a expresãon dos genes sem mutação do ADN. Mudanças herdáveis e reversíveis, que se transmitem fora dos genes”.
http://www.nationalgeographic.fr/sciences"
[18] Este motivo permite descrever, ou pelo menos abordar, a lógica de acontecimentos. Por exemplo dum automóvel, os cilindros de explosão são um laço de peças, o ‘motor’, o resto das peças são enlaçadas pelo ‘aparelho’, a embraiagem sendo o nó que faz dos dois laços um único e duplo laço, construído na sua anatomia pela lei do tráfego (tal como as motos, os autocarros, as bicicletas). Quando vou a guiar e me aparece inopinadamente um carro que me obriga a travar e a desviar-me para a berma da estrada, tanto o gesto das mãos no volante como o de cada pé, um no travão, o outro na embraiagem, são decisivos na manobra, como o é o pedaço de estrada em que me encontro, o carro que apareceu e as manobras do seu piloto, etc. Várias causas jogam de forma indecidível no acontecimento, vários órgãos do carro incluindo os dois pilotos, mais ou menos hábil, se ia ou não distraído a conversar, etc., mas eu saio para discutir, conseguir ‘decidir’ que o outro foi causa ‘decisiva’, e portanto ‘culpado’, o outro jogará em sentido contrário. 
[19] Claro que não há aquisições hereditárias com ‘aprendizagem’ que, como Kandel demonstrou, cria novas sinapses em neurónios; isso exige que os neurónios sejam permanentes, não se renovem como as outras células, mas exclui obviamente a hereditariedade.
[20] Ver as suas análises nas p. 124-7.
[21] Darwin dá vários exemplos com cães, coelhos, pombos domésticos do que crê serem aquisições hereditárias por via de selecção doméstica (295-8), também fala de “modificações de tamanho provenientes da quantidade de nutrição” (29); sabe-se, segundo medidas da tropa, que houve aumento da estatura média das populações masculinas europeias de 11 cm durante um século. É possível testar o papel dos genes nestas alterações, se ‘causa’ ou se ‘efeito’, demonstrar que não é a modificação das condições de existência que tem a primazia em casos destes, as mutações vindo em consequência? Ou o laboratório de bioquímica é impotente para uma tal decisão?
[23] Que são variedades da nossa espécie e que são ‘imotivadas’ por factores alheios que sejam sua condição. Eis uma questão interessante para colocar noutro dia. 
[24] Este motivo heideggeriano de doação substitui o de ‘causa’ como determinação linear : há doação quando se trata de acontecimentos.